Cinco décadas de conceito estrutural Setra

Muitos não acreditaram na forma de construção e no desenho adotado, com muitas dúvidas se essa concepção teria mesmo sucesso. A descrença era tanta que a premonição da falência do nome Setra no mercado de ônibus foi dada como certa

O nome Setra no mercado europeu de ônibus representa um grande marco em termos de tecnologia veicular. Neste ano de 2021, a fabricante celebra 50 anos de seu desenvolvimento que transformou a engenharia utilizada na fabricação de seus ônibus.

A origem do nome Setra vem das iniciais das palavras Selbst Tragend, que significa autoportante. Foi Otto Kässboher, e sua equipe de designers, quem promoveu um novo conceito de ônibus diferentemente da concepção baseada em chassis de caminhões utilizada até o final dos anos de 1940. Em 1951, a Setra dava um passo bem largo em direção à um status que logo ganhou fama internacional. Com uma estrutura diferente, longe daquela anteriormente utilizada, o que proporcionava certos problemas quanto a espaço interno, suspensão e capacidade de transporte, nascia o modelo S8, a vanguarda, para a época, em termos de ônibus, oferecendo conforto, maior segurança, melhor acomodação e um design marcante, por meio da estrutura monobloco ou autoportante, com motorização traseira, menor peso, novo sistema de aquecimento e ventilação, facilidade no acesso ao motor e um privilegiado espaço para bagagens. O modelo era tão leve, que sua estrutura podia ser carregada por seis pessoas.

Muitos não acreditaram na forma de construção e no desenho adotado, com muitas dúvidas se essa concepção teria mesmo sucesso. A descrença era tanta que a premonição da falência do nome Setra no mercado de ônibus foi dada como certa. Ledo engano. Esse experimento único foi considerado a revolução no setor produtivo de ônibus. Após o surgimento desse conceito, outros tantos vieram embalados pelo nome Setra, com referências tecnológicas que marcaram o segmento, como o projeto do primeiro ônibus articulado, apesar de ter um chassi MAN, a primeira suspensão pneumática independente e a primeira linha completa de modelos, com as versões S9, S10 e S11, caracterizados pelas linhas externas marcantes, com generosa área de janelas e um interior bem agradável. A marca alemã foi também a primeira a adotar o freio retarder em seus veículos, isso em 1964, da marca Voith.

Cinco décadas de conceito estrutural Setra
O conceito autoportante é o principal mote da Setra em oferecer um ônibus adequado com a otimização operacional

O sucesso promovido pela ideia dos Kässboher foi tanto que a Mercedes-Benz, então principal concorrente da marca, apresentou seu projeto de monobloco três anos depois do lançamento do S8, com o modelo O321H, veículo que se tornou referência em transporte de passageiros na Europa e também no Brasil.

Em 1996, apenas um ano após a fusão da Mercedes-Benz Buses com a Setra, formando a EvoBus GmbH, foi fundada a Omniplus, unidade de serviços responsável por todas as atividades de pós-venda das duas marcas de ônibus. A base da Omniplus era a divisão de atendimento ao cliente já bem-sucedida das duas empresas. Hoje, a Omniplus tem uma enorme rede de serviços com mais de 650 oficinas em 42 países europeus à sua disposição e oferece aos clientes serviços específicos para ônibus, peças originais, cursos de treinamento e serviços digitais inovadores.

Imagens – Setra

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *