Cummins 50 anos

Uma das mais expressivas fabricantes de motores também já produziu chassis para ônibus em solo brasileiro

A fabricante de motores Cummins está celebrando 50 anos de atividades no Brasil. A marca, que desde 1950 está presente por aqui, primeiro como distribuidora de seus produtos, depois com oficina própria, em 1971 se estabeleceu definitivamente por meio de uma filial ao adquirir as fábricas de motores Otto Deutz, em Guarulhos (SP) por US$ 2,9 milhões e, no ano seguinte, a de chassis para ônibus Magirus Deutz, em Simões Filho (BA), quando foi constituída a Cummins Nordeste S/A.

Em julho de 1972, inicia a produção de chassis em sua planta no Nordeste brasileiro, com 240 colaboradores e fabricação de 50 unidades mensais. Um ano depois, ela apresenta o seu programa de expansão com o investimento de 49 milhões de dólares para a produção de motores diesel para caminhões e ônibus em V na faixa de potência de 140 a 240 HP. Ainda, no tocante a ônibus, a fabricante se associou com a encarroçadora gaúcha Marcopolo e o grupo belga Van Hool para a produção de chassis e sistemas de transmissão.

Dando prosseguimento à sua estratégia comercial voltada para o transporte de passageiros, a marca lança a plataforma modelo RC- 210, equipada com o motor Cummins V8.

No decorrer dos anos, o mercado de ônibus passa a contar com outros modelos da fabricante, como o modelo de chassi para ônibus de luxo RC- AR-210, com motor Cummins V-8-210 de 205 HP a 3000 rpm. O novo produto fora apresentado no Salão do Automóvel de São Paulo, em 1974. Em 1976, a Cummins Nordeste detém 35 % do mercado de chassis de 176 a 220 HP, totalizando 5% do mercado total da produção de chassis para ônibus. Nesse tempo, apresenta um novo chassi, especial, que permite lotação de até 120 passageiros, com o sistema de segurança inter-lock, no qual o veículo não consegue se movimentar enquanto as suas portas estiverem abertas.

Antes da década de 1980, a Cummins deixa de produzir chassis e plataformas para ônibus, se concentrando apenas na fabricação de motores, com diversas gerações, ano após ano, cada vez mais modernos e com menores índices de emissões poluentes.

E, nos anos 80, a fabricante lança a Série C, com seis cilindros, 8,3 litros e potência entre 150 cv e 250 cv, dependendo da versão aspirada, turbo e turbo com aftercooler, lançados simultaneamente no Brasil e nos EUA e com 40% menos peças do que os equivalentes do mercado. Os ônibus urbanos produzidos pela marca Mafersa foram os primeiros veículos a usarem os propulsores.

Dentre os seus planos de crescimento no mercado brasileiro, em 2000, a empresa investiu na Cummins Filtration e inaugurou uma nova fábrica em Guarulhos (SP). A partir de então, com uma gama completa de motores, a fabricante, em meados da década de 2010, visando o fortalecimento de seus negócios e de olho nas movimentações mundiais por sustentabilidade, passou a investir, não só mais em produtos, mas em soluções energéticas para a mobilidade, em especial em eletrificação veicular e células a combustível, lembrando que a companhia já está pronta para atender à Euro VI, legislação que deve entrar em vigor no Brasil em 2023.

Imagens – Memória Marcopolo

A melhor maneira de viajar de ônibus rodoviário com segurança e conforto

Ônibus movido a biometano, por Juliana Sá, Relações Corporativas e Sustentabilidade na Scania

Posts Recentes

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.