Direto do túnel do tempo

Viajar em ônibus melhores e com mais conforto era o mote do serviço Executivo

Lá por meados da década de 1970, o sistema de transporte rodoviário de passageiros do Brasil foi incentivado, via DNER (Departamento Nacional de Estradas de Rodagem), a melhorar os serviços realizados pelas operadoras de ônibus, com a introdução de uma nova categoria – Executiva.

Uma das empresas participantes da linha São Paulo – Rio de Janeiro, a Única Auto Ônibus, aderiu ao que fora determinado pelo órgão federal e apresentou o seu serviço executivo na carroçaria Corcovado, com suas linhas estéticas inovadoras para a época, produzida pela encarroçadora paulista Caio, que também era proprietária da transportadora.

O novo ônibus, com plataforma Mercedes-Benz O-355, contava com requinte interno por meio do sistema de ar-condicionado, serviço de bordo, WC e música ambiente. Viajar entre as duas maiores cidades brasileiras, cortando a rodovia Presidente Dutra e seus 400 kms, ficou mais confortável e mexeu com a concorrência, estimulando que outras empresas do setor também proporcionassem os seus serviços diferenciados.

Contudo, essa classe de serviço, com toda a inovação a bordo, não durou por muito tempo. Somente alguns anos depois, já na década de 1980, houve, por parte de outras empresas pelo Brasil, a retomada do serviço, mas sem o precursor brilhantismo. O que prevaleceu mesmo foi o predomínio das categorias convencional e leito.

Imagem – Acervo Tony Belviso

A melhor maneira de viajar de ônibus rodoviário com segurança e conforto

Ônibus movido a biometano, por Juliana Sá, Relações Corporativas e Sustentabilidade na Scania

Posts Recentes

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.