A festa era para ter sido no ano passado

Ao completar 56 anos de atividades, o terminal de passageiros carioca lança uma exposição sobre a sua trajetória

A data, por si só, é de importância para as pessoas que utilizam os serviços de ônibus rodoviários na capital fluminense. A marca de 55 anos foi alcançada em 2020, mas com a pandemia ainda em plena carga, não foi possível fazer algo de diferenciado para ressaltar a comemoração. Mas isso não é impedimento para que a Rodoviária do Rio (Novo Rio), lançasse mão da exposição 55 Anos + 1 (a partir de 6 de dezembro), que apresenta a evolução de sua estrutura e serviços, além das mudanças históricas na região onde está situada (Zona Portuária).

No interior do terminal, a reunião de fotografias do acervo da administração e fruto de pesquisas, mostram a trajetória histórica, desta que é a 2ª maior rodoviária da América Latina em movimentação de passageiros e uma das mais importantes do País, ainda mais agora na retomada do turismo.

Historicamente, a rodoviária foi projetada no governo de Carlos Lacerda (estado da Guanabara) e inaugurada pelo governador Rafael de Almeida Magalhães, em 5 dezembro de 1965, recebendo o nome de Rodoviária Novo Rio (Lacerda visou diversas reformas no transporte coletivo carioca e traçou a cidade do futuro que chamava de um “Novo Rio”) sendo, inicialmente, administrada pela FUTREG e, posteriormente, pela CODERTE (autarquia pertencente ao governo estadual).

Em 1990, a administração privada assumiu a responsabilidade da estrutura, por meio de uma concessão onerosa com o estado, investindo, desde então, R$ 80 milhões em sua reforma até a presente data.

A administração realizou várias obras contratuais e não contratuais que abrangeram as fachadas; as plataformas com a melhor organização das operações de embarques dos ônibus; a passarela central superior que foi triplicada e fechada com a instalação do sistema de climatização; a melhoria na acessibilidade com elevadores, novas escadas rolantes e a substituição das escadas de acesso às plataformas por rampas; um edifício garagem remodelado; novas bilheterias; novos serviços de atendimento como balcões de informação, carregadores de celular, conexão de internet via Wi-Fi, e apoio a deficientes e idosos; ampliação do mix de produtos e serviços aos passageiros; monitoramento por câmeras oferecendo maior segurança; novos salões no embarque e desembarque e salas Vips com total conforto para quem espera por seu ônibus.

Nesse tempo, as operadoras aprimoraram a maneira de seus negócios, investindo em frotas cada vez mais modernas, seguras e confortáveis, além de evoluírem no atendimento, desde o serviço a bordo das rodomoças até a humanização dos guichês e dos processos automatizados de compra de passagens e embarque.

A rodoviária Novo Rio provou, ainda, ser um equipamento turístico importante durante grandes eventos como a Jornada Mundial da Juventude, a Copa do Mundo e a Rio 2016 movimentando mais de 3 milhões de turistas de todas as nacionalidades em suas instalações com uma estrutura de atendimento trilíngue, balcões de informações para o receptivo e serviços diferenciados para quem visitava a cidade. Nos últimos tempos, a operação, durante a pandemia, também foi um desafio na medida em que foi necessário implementar um protocolo rigoroso sanitário de combate ao coronavírus em curto espaço de tempo.

Imagens – Acervo Rodoviária Novo Rio

A melhor maneira de viajar de ônibus rodoviário com segurança e conforto

Ônibus movido a biometano, por Juliana Sá, Relações Corporativas e Sustentabilidade na Scania

Posts Recentes

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.